“Inovação e tecnologia para serviços de sustentabilidade”. Essas são apenas algumas das palavras que vemos quando pensamos no setor de meio ambiente, porém, tais termos só são comumente utilizados para referir-se à operações fora do Brasil, no que se refere à gestão de resíduos.

A realidade brasileira na gestão de resíduos é permeada por um acordo setorial velado, feito de boca a boca, no qual as empresas de gestão ambiental aceitam ou não uma concorrência de mercado.

Sim, é péssimo, mas existe. Não só existe como faz com que indústrias e organizações fiquem eternamente à mercê de determinados fornecedores, por conta de capacidade operacional, ou simplesmente, por um acordo bem amarrado.

gestão de resíduos no Brasil

Gestão de Resíduos e a Livre Concorrência

Não existe livre concorrência a não ser que este acordo seja quebrado, e normalmente quando ocorre é uma guerra pelos clientes do concorrente.

Mas por quê me dei ao trabalho de tocar neste assunto? Ao longo destes anos atuando no mercado de resíduos o que mais atendi foram clientes que pediam e queriam inovação, soluções sustentáveis, projetos para aterro zero, porém sem serem atendidos ou, sequer, ouvidos quando citavam as demandas.

Estes acordos de mercado não só impedem o crescimento do setor, como desestimulam o investimento em novas tecnologias, trazendo uma estagnação que se instalou nos últimos 20 anos no estado de São Paulo.

Algumas grupos econômicos até tentam, abrem uma operação piloto de waste-to-energy, fazem propaganda sobre serviços sustentáveis aos seus clientes, mas a realidade é que grande parte dos resíduos comerciais e industriais ainda vão para aterros sanitários (um dos destinos finais menos inteligentes se pensarmos na gama de opções que vemos mundo à fora).

Com todo o potencial econômico que o Brasil possui é vergonhoso não sermos referência em gestão de resíduos mundialmente.

Já é passada a hora da revolução neste país! Já está na hora das indústrias e organizações forçarem e exigirem inovação, atendimento de qualidade, equipamentos de qualidade do mercado.

Da mesma forma as empresas de gestão de resíduos precisam começar a pensar fora da caixa e preocupar-se em ser destaque pela inovação e qualidade com o cliente, afinal, não há acordo que supere um bom atendimento!